DICAS PARA DECIDIR ENTRE PARTO NORMAL E CESARIANA

O planejamento e a expectativa para o nascimento de um filho são muito grandes. Inúmeros detalhes precisam ser pensados, decididos em conjunto. Uma dessas questões é o parto. Normal ou cesárea? O nosso país é um dos que mais realiza o procedimento, afinal metade dos nascimentos são por meio da cesárea. A Organização Mundial da Saúde recomenda, no máximo, 15%. Na rede privada esse valor aumenta em 84% e na rede pública reduz para os 40%.

Atualmente existem novas regras na Agência Nacional de Saúde Complementar para reduzir o número de cesáreas na rede pública de saúde. Como é possível perceber a cesárea deve ser realizada quando o parto normal, de fato, não pode ser feito. Mas por quê?

O parto é algo fisiológico, portanto o corpo feminino está preparado para essa situação. Não é algo incomum ou que o corpo não tenha estrutura para suportar. Além disso, existem mitos em torno do nascimento que fazem as mulheres optarem pela cesárea. Por exemplo: cordão enrolado em torno do pescoço, o tamanho do bebê, falta ou excesso de líquido amniótico, a estrutura da mãe, entre outros. 

Logicamente que, em certos casos, a cesárea é recomendada. Entre algumas situações estão a placenta bloqueando a saída do bebê, pouca dilatação, problemas de saúde da mãe, etc. 

Por meio do parto normal a recuperação é mais rápida do que a cesárea. Às vezes a mulher opta pela cesárea para não sentir dor, mas há possibilidade de usar anestesia mesmo no parto normal, com a possibilidade de continuar o trabalho de parto.

Com a cesárea, de fato não há dor no momento do parto, mas recuperação é mais lenta, principalmente por causa do processo de cicatrização. Há menos de haver a formação de coágulos.

Por fim, logicamente que a mulher deve escolher a forma que deseja receber o seu filho. Se não se sente confortável e teme muito o parto normal, poderá fazer a cesárea, ou vice-versa. 

O importante é fazer o acompanhamento com médicos desde a descoberta da gravidez, fazer todo o pré-natal, para que o bebê nasça saudável e com o melhor método possível.

 

Luciane Rodrigues