DAR LIMITES, O GRANDE DESAFIO PARA LIMITAR O TEMPO PARA JOGOS


A principal dica é a da conversa. É importante falar com os filhos, sejam eles crianças ou já adolescentes, jovens, para que eles entendam que o tempo que destinam para jogos, seja em casa ou em celulares ou outros locais pode prejudicar seu convívio e desenvolvimento social e escolar. 

Para os pais e mães que enfrentam o problema o fundamental é importante que mantenham firmeza quando a conversa não resolver e for preciso dizer não. Claro que não é necessário proibir totalmente, mas dar horários é importante, e fazer com que sejam cumpridos.

Na hora da aula, por exemplo, é preciso dedicar toda a atenção aos professores e conteúdos. Em casa, pode haver momentos para esse lazer, desde que respeitado o tempo para alimentação, convívio com os demais familiares e para realização das tarefas escolares.

Não tem problema se suas crianças adoram jogos de consoles como PlayStation, Xbox, Wii, ou outros games disponíveis online ou em celulares. O que pais e mães precisam é ficar atentos quanto ao tempo dedicado a cada tarefa da vida dos jovens. 

Se as crianças deixam de participar de outras brincadeiras ou os jovens de sair e interagir, ou, em ambos os casos, de ir à escola, ou ficam agressivos, está mais que na hora de impor limites. O sedentarismo também é algo a ser combatido, e os jogos com movimento podem ser mais estimulados que os que não exigem nenhum esforço, por exemplo.

Uma coisa é certa: caras feias virão. Mas os benefícios são muito maiores que os efeitos caso algo não seja feito no tempo certo. Por isso, dê limites colocando horários para cada atividade e conscientizando de que há tempo para tudo, e que assim não será preciso proibir. 

Mostre que é possível fazer um pouco de tudo. Vale até participar de alguns jogos com os filhos. Assim você já aproveita para conferir o conteúdo de cada game e se envolve mais com aquilo que seus filhos gostam. 

 

Luciane Rodrigues